OTOPLASTIA – Correção da orelha de abano

Vídeo explicativo

Folder informativo


Considerações Gerais

 

Somente a cirurgia, com a remodelação da cartilagem que dá forma à orelha, poderá corrigir, definitivamente, as orelhas de abano.

A cirurgia pode ser feita em qualquer época, desde que após os sete anos de idade. Entretanto, devido aos problemas que surgem na escola, devido as brincadeiras, às vezes de mau gosto, que se fazem com as crianças portadoras deste defeito, é preferível que a cirurgia se faça o mais próximo possível dos cinco anos, quando a orelha atinge o seu tamanho definitivo.

A cicatriz fica atrás da orelha e, normalmente, não é visível.

Quanto a Anestesia: a maior parte das vezes é feita com anestesia local com ou sem sedação. Se o paciente for de baixa idade e pouco colaborativo, a anestesia geral é necessária para obter-se a imobilização do paciente. Sua duração é aproximadamente de 1 hora.

Geralmente o resultado dessa cirurgia é muito bom, porém é importante salientar que, quase sempre, a orelha direita é diferente da esquerda e portanto, alguma assimetria sempre poderá existir, após a cirurgia. Porém, esta assimetria não será em decorrência da cirurgia, mas do próprio formato assimétrico das orelhas, antes da cirurgia.

Como em todas as cirurgias, as cicatrizes existirão. Entretanto, as incisões são feitas na parte de trás da orelha e, portanto, as cicatrizes ficarão totalmente escondidas. Com o tempo irão desaparecer quase que totalmente.

 

PRÉ  E  PÓS–OPERATÓRIO

 

Após a cirurgia, é colocado um curativo que será mantido por dois a três dias.
Ao fim deste período o curativo será retirado e o paciente deverá usar uma faixa elástica (de tenista ou bailarina) protegendo as orelhas. Essa faixa não deve ser muito apertada. Deve apenas manter as orelhas na posição adequada sem provocar dor ou deformidade nas orelhas. Outra função da faixa, é não deixar a orelha dobrar neste período que é necessário para a completa cicatrização da cartilagem. O uso da faixa deve ser feito 24 hs por dia no primeiro mês. É permitido retirar a faixa apenas para banho e curativo local. No segundo e terceiro mês a faixa deve ser utilizada apenas à noite para dormir. Isso totaliza um período de três meses de uso da faixa.
Por quatro semanas deverá evitar banhos de sol.

 

1 – Internação
Geralmente não requer internação. O  procedimento é ambulatorial.
2 – Curativos
A limpeza das orelhas e incisão deve ser feita com a utilização de sabonete anti-séptico (protex, soapex, etc.) e banho no chuveiro, conforme orientação da equipe da clínica salute.
3 – Dor
Não é muito intensa na cirurgia das orelhas, bastando análgesico comum nos três primeiros dias.
4 – Repouso
Nos primeiros dias, o repouso deverá ser com o troco elevado a 45º e cabeceira elevada (evitar o decúbito lateral).
5 – Equimoses (roxos)
São as manchas roxas na pele, que poderão ser mais ou menos intensas, dependendo das características pessoais de cada um.
6 – Sol
O paciente não deverá se expor ao sol durante 30 dias, exceto curtas exposições sob proteção de filtro solar 30 ou mais.
7 – Alimentação
Normal
8 – Ginástica ou esportes
Ginástica ou esportes são recomendados com cuidado após 30 dias. Cuidado com esportes que possam traumatizar as orelhas (esportes de contato e com bolas).
9- Sensibilidade
A região pode ficar insensível ou hipersensível no período inicial.

 

Toda cirurgia apresenta um período próprio de recuperação. Dê tempo ao tempo que o seu organismo se encarregará de dissipar todos estes pequenos transtornos que infalivelmente chamarão a atenção de alguma pessoa estranha, que não se furtará à observação: “Será que isto vai desaparecer?”. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte, poderá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

 

RESULTADO FINAL

Inicialmante, durante os primeiros quatro meses pós-cirúrgicos, a região apresentá-se um pouco edemaciada(inchada), mas com o passar do tempo, vai havendo uma acomodação gradativa de tecidos orgânicos.
O resultado final é considerado após 4 a 6 meses da cirurgia, devido ao edema prolongado. Só, então, deverá ser feita a fotografia e avaliação final.
Qualquer dúvida contate sempre nossa equipe.

Sociedade Brasileira de Cirurgia PlásticaFMBUPMCNew York UniversitySBACVUniversidade Estadual de LondrinaColégio Brasileiro de Cirurgiões